5 Tendências Tecnológicas para 2017

Autor
Belo Digital
Publicado a
5 Tendências Tecnológicas para 2017
tendencias 2017

O ritmo da inovação tecnológica está mais rápido do que nunca. Desta forma, descubra quais as principais inovações para o ano de 2017.

Confira 5 tendências tecnológicas para 2017:

1 – Sugestão automática

Sugestao automatica

A machine learning  ou a aprendizagem automática permite que sistemas utilizem  algoritmos que alocam informação à medida que são utilizados. A informação alocada serve para o sistema “aprender” a fazer mecanismos automáticos e detetar padrões e/ou anomalias. Por exemplo, numa loja online, podemos recomendar/propôr produtos ao utilizador.
A machine learning tem vindo a desenvolver-se , especialmente para as áreas de big data e analyticsSe ainda não utiliza a machine learning, é muito provável que vá começar a usá-lo já em 2017. As plataformas de machine learning estão cada vez mais fáceis de utilizar e são já muitas as empresas a desenvolverem as suas próprias plataformas: a Microsoft, a Amazon e a Google são algumas delas.
Com certeza, em 2017, vamos deparar-nos com mais aplicações que geram sugestões em tempo real, tornando-se mais precisos á medida que vão sendo utilizadas.

 

2 – Controlos por voz

Controlos por voz

Uma das tendências a destacar é a Nova Voz da Computação. Tal, significa que a interface de usuário para computadores continua a mudar para atender as pessoas como elas usam computadores de novas maneiras. Esta evolução é semelhante ao que aconteceu quando Steve Jobs fez o computador pessoal mais acessível relativamente aos PCs anteriores, o que ajudou a disparar o mercado em massa.
Acredita-se que os comandos de voz estão agora a entrar em si mesmo, com a chegada de interfaces de usuário, baseadas em voz como Siri, Amazon Alexa e Google Assistant. Em 1995, a taxa de erro para o reconhecimento de fala foi de 100%. Em 2013, era de 23%. E agora, em 2017, temos essencialmente paridade entre humanos e computadores com reconhecimento de fala.
Observou-se que a interface gráfica do usuário começou a desaparecer dos wearables, por volta de 2010. Ao remover a GUI (graphical user interface) e telas, os dispositivos tornam-se menores, melhorando a vida da bateria.
Os robôs domésticos vão crescer de 2,9 milhões de unidades, em 2016, para 5 milhões de unidades, em 2020, impulsionado pela computação por voz.

3 – Inteligência artificial

Inteligencia artificial

A segunda grande tendência é o crescimento da inteligência artificial. A inteligência artificial começou a infiltrar-se em dispositivos menores, sendo usada por exemplo, para gerir o nível de refrigeração do seu frigorífico. Os aparelhos domésticos monitorizam tudo cada vez mais, como a quantidade de detergente que você tem, reordenando-os quando os mesmos ficam baixos.
Este ano a Inteligência Artificial terá mais profundidade de conhecimento na CES, fluidez de conversa por voz, recomendações valiosas, capacidade de fazer pequenos ajustes e profundidade de mudança.

4 – Definir a futura rede

Definir a futura rede

A rede 5G será uma rede de dados sem fio, que permite que se conecte à internet em altas velocidades e se comunique com vídeo e voz ao mesmo tempo. Muitas grandes empresas, como Ericsson e Verizon e Qualcomm, estão a trabalhar na definição dos padrões e capacidades da 5G.
Esta rede irá determinar que tipo de gadgets usaremos no futuro, o que inspirou uma sub-tendência interessante
Gadgets estão a consumir software, e software está a consumir gadgets. Esta noção sugere que ambos acontecerão ao mesmo tempo. Veremos todos os serviços convergirem num único dispositivo, como o smartphone, com os serviços provenientes da nuvem em rede. Mas, ao mesmo tempo, também veremos muitos serviços saírem, tornando-se o coração de novos gadgets de propósito único.
De facto, os dispositivos de fitness devem crescer de 42 milhões de unidades, em 2016, para 68 milhões de unidades até 2020. Existem mais de 250 expositores em saúde, desporto, sono, família e outros wearables na CES 2017.

“Estamos a digitalizar e democratizar a saúde”.

Os wearables estão a mover-se para além do pulso, para objetos como anéis inteligentes e Prevent Biometrics , ou seja,”boca inteligente que guarda e deteta conclusões”.

5 – Digitalizar a experiência do consumidor

Digitalizar a experiencia do utilizador

A tendência final é a digitalização da experiência do consumidor. Isto inclui a digitalização de tudo, desde o sentido do olfato a todos os outros sentidos. Estes avanços serão usados em dispositivos como hardware de realidade virtual.
Este ano, espera-se que 2,5 milhões de unidades VR (óculos de Realidade Virtual) sejam vendidas, um aumento de 79%. A receita de hardware dos VR será de US $ 660 milhões, um aumento de 43%, a partir de 2016.

Subscreva a
nossa Newsletter